Anônimos & Celebridades Utilidades & Futilidades / De Tudo um Pouco & Um Pouco de Tudo

domingo, 30 de junho de 2013

Por Dotti Jr : O Meu nome não é Vitória

Eis-me aqui sozinho em cada canto

Tão pesado quanto um sopro de vida

Nem mesmo a face do maior desencanto

Choravas tanto por sua breve despedida

A minutos atrás poderíamos ter sido

Tudo o que de mais lindo há além da ferida

Algo que não morresse como o amor quando não dito

E que vivesse como a flor no seu cabelo escondida


Seriam teus olhos meu prazer inenarrável

Se encontrasse-os abertos frente ao meu rosto

Seria a cura do que até então era incurável

Abraçar a essência da morte que te trás gosto


Gosto de derrota vivida a cada dia a esmo

Ao contrário de ti Vitória,que não passa

Perdi-me de mim,na solidão de mim mesmo

Dos céus espero que encontre o caminho de casa


É de se lembrar com saudade a doce infância

Sorrias fácil pra quem a olha-se com carinho

Enchia-me o peito de uma enorme esperança

Vê-la feliz era acreditar não estar sozinho


Há dias que somos apenas cansaço

Não saberia lhe dizer o exato momento

Entre o seu fugir dos meus braços

E seu encontrar com o isolamento

Presenciei o seu tentar triste e rouco

Como quem já houvesse gritado

Desesperado feito um louco

Implorando um pouco de amor

Talvez viver seja mesmo

Aceitar morrer aos poucos

De mãos dadas com a dor


Aquela menina de olhar mendigo

Foi internada em uma clínica

Dizem que por falta de um amigo

E pela tristeza que debochava cínica

Procurava na solidão sentir algo a mais

Enquanto chorava por ter sido internada pelos próprios pais

Se for pra morrer que não seja por nada

Quem disse que a entende nunca quis saber

Ás pressas longe de mim foste levada

Viver de amor é aceitar-se adoecer


Dizem que ela esta trancada no banheiro

Desenhando corações com seu pequeno canivete

São tantos cortes que já nem se sabe qual foi o primeiro

Seus tornozelos sangram e sua tristeza não se mede

"E a dor é menor do que parece

Quando ela se corta ela se esquece"

As noites já não trazem mais mudança

E sua imagem está diferente no espelho

Crescer é doer não ser criança

Vitória pintou seu quarto de vermelho


Conversas escondidas procuram um jeito

De dizer o que a coragem não nos permite falar

Desde ontem seus calmantes não fazem mais efeito

Todo anseio vem do medo de não se conseguir se curar

E a pior parte de estar doente

É ser tratada como tal

Sozinha ela se tranca e mente

Cortar-se não é idiotice.

Idiotice é deixar alguém tão mal

A ponto de faze-lá sangrar.


A cada verso uma velha recordação

A cada silêncio surge o nome de alguém

Quantas lembranças silenciam o coração

Solidão é estar rodeado de ninguém


Doce lâmina que me corta

Ela diz que me conforta

Afunda em minha pele

E com muito prazer

Ela me fere

Se alimenta do meu sangue

e sorri com a minha dor

Ela jura que assim

Apagará o meu rancor

Doce lâmina, eu te amo

Doce lâmina, eu te chamo

Corte o meu pulso

Apenas por impulso

Aprecie o meu sangue

E prometa me levar embora

Não preciso de você

Não mais agora


Adormeci durante esse dia

Mergulhado em teu sangue quente

Sem ajuda eu jamais saberia

O que tanto a deixava doente

Era medo da vontade proibida

Revelada minutos antes do final

Você fechou os olhos enquanto dizia

O que tem demais em ser homossexual ?


E aquela lágrima que as vezes escorre

É só remorso por não ter agido diferente

Chorar não alivia a dor que nunca morre

Lembro-te menina sorrindo aqui com a gente

Me perco nos teus olhos diante dos meus

Lembrança está que alivia e faz sangrar

Algo dentro de mim a ti lhe pertenceu

Talvez falte coragem pra que eu venha me cortar

Você se foi mas algo de você permaneceu

Dentro de mim mal se sabe o que ainda é você ou eu

Mas o mais triste foi deixar

Que algo passasse despercebido

E que toda aquela vontade de ter vivido

Se esvaecesse junto com seu olhar


E quando volto pra casa encontro sua história

Marcada de vermelho no espelho e em cada canto

Seu nome era Vitória

O meu nem tanto


Dotti Gioia Busch Jr

Gisele Leite

Inspirada na música "Clarisse - Legião Urbana"


6 comentários:

  1. O espelho marcado de vermelho, o seu nome que nem tanto: belos versos. Abraços e sucesso com o blog!

    ResponderExcluir
  2. Muiito bom mesmo .
    Bem ... Intenso !

    ResponderExcluir
  3. seguir em frente sempre, só isso que importa.

    ResponderExcluir
  4. Parabens Cicero, excelente texto, excelente blog. Sucesso.

    ResponderExcluir
  5. Muito lindo esse poema. De uma riqueza literária expressiva e intensa. O final foi perfeito.



    http://mmelofazminhacabeca.blogspot.com.br/2013/07/um-pouco-de-mafalda.html

    ResponderExcluir